segunda-feira, 14 de maio de 2012

Irmão Rogério é um Palhaço

Para que não haja duvida de quem estou escrevo, o nome completo desse PALHAÇO é Irmão ROGÉRIO PEREIRA RODRIGUES e este PALHAÇO é Membro Ativo e Regular da ARLS Orvalho do Hermom 306, jurisdicionada a Grande Loja Maçônica de Minas Gerais. ................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................
Estas linhas pontilhadas são o artifício que usei para dar tempo aos Irmãos formularem pensamentos, até que eu retorne ao tema. Sejamos sinceros, alguns ou a maioria pensou algo como:

“- Nossa, o Irmão Quirino está bravo!” Ou “- Este tal de Rogério deve ter pisado na bola!”

Isto demonstra o quanto somos preconceituosos e até mesmo elitistas. O Irmão Rogério é sim um palhaço, não um palhaço de circo e nem alguém que fez algo equivocado. É um Irmão que desenvolve outras atividades profissionais, mas tem o DOM da arte circense do palhaço. Ele se pinta, veste uma roupa engraçada, pula aqui, abraça lá, dança acolá e o ambiente (creches, asilos, hospitais oncológicos, colônias de excluídos) é tomado por uma forte vibração de ágape. Estou retornado agora de mais uma de suas “apresentações”, desta vez na Colônia Santa Izabel. Ele procurou a ARLS Presidente Roosevelt solicitando doações e a presença dos Irmãos. Vendo-o atuar me pus a pensar como muitas vezes em nossas Sessões confundimos SERIEDADE com SEVERIDADE. Ou pior, quando confundimos SOBRIO com CARRANCUDO. 


É de suma importância compreender que precisamos ser alegres para sermos felizes. E não o contrario. AS SESSÕES MAÇÔNICAS MAIS DO QUE FAMILIARES (entre Irmãos), DEVEM SER FRATERNAS. 

Na Revista O Pesquisador Maçônico (opesquisadormaconico@ciclodagua.com.br) edição nov/dez de 2011 na página 33 (tinha que ser) traz um fantástico artigo do Irmão e Padre Aloísio Guerra, cujo título é: MAÇOM, SORRIA. Leiam o quanto é sensato e inspirador nosso Irmão:

* “O Maçom também tem motivo de sobra para rir à toa, até pelo simples fato de ser Maçom. Conheço vários Maçons que assim se consideram.”

* “Precisamos provar que somos sustentados pela fé e pela esperança que nos torna ‘Maçons Felizes’. Se dos santos foi dito: “Um santo triste é um triste santo”, também do Maçom vale dizer: “Um Maçom triste é um triste Maçom”.

* “Nietzsche disse que só acreditaria na Igreja quando visse os cristãos saindo da missa dominical com caras de ressuscitados e não de pecadores. O mesmo vale para nossa Maçonaria. Os outros precisam acreditar ao ver-nos saindo do Templo Maçônico, não pessimistas, lamuriantes, criticando tudo e a todos, mas homens contentes, otimistas apesar de tudo, dispostos a contribuir para um mundo menos imundo, a ajudar em tudo aos mais carentes, espiritual e materialmente”.

* “Precisamos testemunhar que somos pessoas interessadas somente no bem. Que os Profanos olhem para nós, com admiração, pensando: “Ele é Maçom, por isso é feliz.”

* “As pessoas andam muito tensas, por vezes à beira do stress. Não sorriem, não perdem tempo para se deleitar com a beleza e o perfume de uma flor. Não brincam mais como ou com as crianças.”

* “Pois bem, o Maçom tem o dever de reverter essa situação. Sorrindo e fazendo os outros voltarem a sorrir.”

* “Precisamos mostrar a força renovadora da Maçonaria! Para os “insossos”, desanimados, sejamos o ‘sal da terra’ (Mt 5,13); para os pessimistas que vivem no escuro, desnorteados, sejamos a ‘luz do mundo’ (Mt 5,14)”

* “O Maçom deve e precisa ser um otimista (O otimista pode errar; o pessimista já está errado), procurando subir (a Escada de Jacó está à nossa disposição), degrau por degrau, confiando sempre que o melhor vai acontecer. E acontecerá. Por isso, SORRIA, MAÇOM!!!”.

Durante a atividade na colônia de hansenianos, o máximo que pude fazer foi descarregar os donativos, dar um sorriso, apertar um mão, dar um abraço e ficar ali no canto como o bobo e sem graça Irmão Quirino. Irmão Rogério você é um Nobre Palhaço, capaz de atitudes e de um desprendimento que apesar de toda minha graduação maçônica, não consegui deixar de ter inveja. Obrigado por ter nos pedido ajuda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Impacto da Maçonaria na vida de um recém iniciado.

Refletindo como fazer um trabalho sobre o efeito da Maçonaria em minha vida após a iniciação, se fez necessário uma análise dos meus dias...